20 de abr de 2010

Um pensamento qualquer


Você pode estar entre milhões, mas enquanto sua mente correr por ruas vazias até uma só pessoa, se sentirá sozinho. Porque a solidão é relativa. Você não escolhe, mas tbm não segue ordem determinada pelo destino.
Estar só é tão sinônimo de fuga quanto de abandono. Você é quem segue o caminho. Pode fugir agora desse mundo chato e monótono, das conversas por educação, dos sorrisos amarelos estampados friamente no rosto, como um selo que fora mal colocado no envelope e dos conselhos repetitivos. Ou pode ficar e esperar até que todos se cansem de imitar a perfeição, a educação, o bom senso e a falsidade.
Eu prefiro fugir. A fuga é emotiva, repleta de esperança e adrenalina. De vontade de encontrar o desconhecido, descobrir outros sorrisos verdadeiros e deparar-se com alguns malditos olhos intrigantes por aí.
Ficar seria como fechar a porta da felicidade. Ou talvez da dor, do perigo e do risco de sofrer, não?

Ah, o amor!

É engraçado como o amor pode mudar as pessoas. Tem o poder de transformar, melhorar e piorar tudo. Mas isso quem faz somos nós. Apenas somos motivados por esse sentimento avassalador, que chega arrombando todas as portas do nosso coração, todas as nossas defesas contra o mundo e as pessoas.
O amor é como um vírus desconhecido pela ciência e medicina. Ele sofre mutações enquanto está instalando-se dentro de nós. Vai chegando devagar, sem que nos demos conta. E então, inesperadamente, de uma hora pra outra, vc abre os olhos e percebe que o coração bate mais rápido e mais forte, que as pernas ficam bambas e que vc simplesmente não consegue tirar os olhos daquela pessoa. É meu amigo, o amor sempre aparece quando vc não está pronto. E por mais que se prepare, acredite, ngm nunca estará pronto para ele.
Muitos escritores/poetas dedicaram seu tempo para tentar descrever esse sentimento e/ou sua presença e grandeza nos homens.

Frases de amor:

"Quando fala o amor, a voz de todos os deuses deixa o céu embriagado de harmonia." (Shakespeare)

"O amor é o sentimento dos seres imperfeitos, posto que a função do amor é levar o ser humano à perfeição. Como são sábios aqueles que se entregam às loucuras do amor!" (Joshua Cooke)

"O amor é grande e cabe nesta janela sobre o mar. O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar. O amor é grande e cabe no breve espaço de beijar." (Carlos Drummond de Andrade)

"Não há ninguém, mesmo sem cultura, que não se torne poeta quando o Amor toma conta dele." (Platão)

-Bom amiguinhos,
uma semana BEM amorosa pra todos vcs! rsrs

Beijinhos ;*

18 de abr de 2010

Tenho medo dos domingos. Com suas tardes intermináveis e entediantes. Com seus sois abertos em curvas, sobre nossa casa. Tudo sempre parece tão mais monótono de dentro pra fora.
Não sei pq, mas acho que as pessoas transformam-se nos domingos.

8 de abr de 2010

Sonholite


Seis e meia da manhã e eu ainda fitava o teto. Já havia contado inúmeras vezes o número de mosquitos que residiam ali, entre o ventilador sujo de poeira e o guarda-roupa marrom escuro. Treze ao todo. Atribuí a cinco deles, o papel de homem da casa. Outros cinco, seriam as esposas, mais duas jovens encalhadas e um gay, para completar.
Fui criando histórias de amor e ódio entre meus protagonistas da novela da madrugada. Aquilo me distraiu por um bom tempo, mantendo-me longe das tragédias cotidianas.
Eram mais ou menos quatro e meia, quando um vento forte apareceu lá fora. Foi batendo devagar no vidro fechado, pedindo permissão para entrar. Tocou a campainha por um longo tempo. Não o desejei, mas mesmo assim, em algum cantinho da janela, deram-lhe espaço para tomar conta do quarto.
Aquele frio típico de inverno me lembrava de alguns tempos em que eu comia as frutas do rei, mas não sabia que era feliz. Fui sentindo uma mistura de tristeza e alegria. E depois, uma paz, uma calma de curativo sobre machucado, uma certeza de melhora.
Acho que o tempo realmente não cura nada. Talvez a nossa falta de memória ou nosso conformismo que façam esse trabalho. Mas para aqueles providos de consciência, tenho a triste notícia de que a culpa nunca o abandona.
Não sei bem, mas tenho me sentido distante do mundo real. Ás vezes estou ali, ouvindo e vendo alguém, mas de repente, nada daquilo faz sentido, e tudo que ouço e vejo, são lembranças vagas de um sonho ou outro.
Minha teoria, é que os sonhos nunca se perdem na realidade. Eles ficam esquecidos por algum tempo, mas quando cansam e resolvem aparecer, vem nos enchendo de perguntas e ideias, fazendo-nos parar o tempo para analisar tudo aquilo.
Acho que tenho sonholite aguda. Vivo no mundo da lua. O problema, é que descobri que lá tem muito mais gente, muito mais história e muito mais graça que aqui, nesse mero mundinho humano. Onde todo mundo luta por coisa nenhuma, ri sem achar graça, grita sem ter voz e pensa sem usar o cérebro.

Blogroll